Tecnologia - Caminhão elétrico no país em 2019?

 

O primeiro caminhão elétrico pode começar a rodar ainda este ano na Europa. A Volvo lançou a versão do médio FL, o primo do VM que comercializa no Brasil. O vice-presidente global de caminhões da montadora sueca, Lars Terling, disse que a montadora já está preparada para os pedidos e espera, ao final deste ano, começar a operação em empresas de distribuição urbana.

“Esse é um conceito global e com toda certeza poderá ir para outras operações da companhia no mundo. Tudo dependerá da demanda. Pode ser no Brasil, Índia ou na Itália”, disse o executivo. Segundo ele, o caminhão elétrico da Volvo já está em testes em uma companhia de lixo na Suécia. “Nesse projeto, conseguimos reduzir o preço das baterias e elas estão menores e mais eficientes. Daqui a alguns anos, essa tecnologia já estará ultrapassada. Tudo está acontecendo muito rápido. Acredito que até 2030 a revolução será maior do que nos últimos 50 anos”, ressaltou. O caminhão tem autonomia para rodar 300 quilômetros. Esta solução deverá desembarcar por aqui bem em breve. Alan Holzmann, diretor de planejamento estratégico de caminhões da Volvo Trucks na América Latina, disse que o Brasil está preparado para receber e há interesse dos clientes. “Já temos consultas sobre quais as tecnologias que estamos desenvolvendo para melhorar a eficiência em emissões dessas empresas. Mercado nós já temos e industrialmente, também temos condições de começar a produção desse caminhão muito rápido”, disse o executivo, ressaltando que o projeto do caminhão elétrico foi feito em apenas 31 semanas. “Herdamos a tecnologia dos ônibus híbridos. Temos expertise nessa área.”

ALAN HOLZMANN, DIRETOR DE ESTRATÉGIAS DA VOLVO TRUCK AL

Holzmann disse também que uma das perguntas que pairam na cabeça das pessoas é a questão do descarte das baterias, o que já está também sendo solucionada. Segundo ele, com os constantes desenvolvimento das fabricantes de baterias, os equipamentos têm uma vida útil maior do que as versões anteriores. “Hoje, elas podem equipar veículos por 10 anos, mas as baterias podem ser usadas em outras aplicações, como geradores de energia e isso pode estender a sua vida útil por 30 anos”, afirmou o executivo.

O executivo disse que já existe no Brasil startups que fazem essa conversão da bateria usada em veículos em geradores que auxiliam os sistemas de energia solar. “Em uma casa que tem painéis solares, o sistema é interligado à rede de energia elétrica quando ele não está em funcionamento. Com os geradores de baterias automotivas, as placas podem ser conectadas a eles. Há demanda, não há baterias suficiente para isso”, disse Holzmann.

AUTÔNOMOS

Outra frente de desenvolvimento da Volvo são os caminhões autônomos. “Acreditamos que veículos autônomos serão gradativamente introduzidos em aplicações muito específicas, em áreas confinadas, sem trânsito regular. São operações de transporte muito repetitivas, em que a produtividade dos motoristas é constantemente desafiada por uma rotina extenuante. Nesses casos, caminhões autônomos ajudam muito a manter a condução uniforme por muito mais tempo, com menos cansaço, aumentando inclusive a segurança”, disse Lars Terling.

A Volvo já colocou veículos atuando em operações reais desse tipo, como numa mineração subterrânea em Boliden (Suécia) ena colheita de cana-de-açúcar em Maringá (Brasil). “Importante destacar que os autônomos que já temos não abrem mão do importante papel do motorista. Ao contrário: eles continuam sempre atrás do volante e têm sua atuação facilitada pela tecnologia, que garante mais precisão e produtividade”, afirmou o executivo.

 
LEIA TAMBÉM